06 novembro 2005

Moves-me para onde não posso ir, Cedes-me o que nunca poderei ter, És fonte de prazer ilimitado, A chama que ilumina a razão… Onde começas ou terminas? Não sei… Nunca tentarei desvendar… És o mistério que me acompanha, Sem ninguém, nem eu mesmo notar, Onde ninguém, Só Eu, consigo entrar…

3 comentários:

Anónimo disse...

lindo.... bj

Paula Raposo disse...

A razão nunca é iluminada por nenhuma chama! Onde começa e termina...não sabemos. Tens razão.

Hera disse...

Sinceramente mais uma vez fiquei surpreendida contigo. Gosto muito do teu blog. Para ser sincera nunca pensei que fosses capaz de escrever desta forma, bastante emotiva em alguns posts. Gosto especialmente das tuas decriçoes, mas este post deixou-me totalmente paralisada...consegues descrever em promenor...
E contra ao que é habito em mim votei...e nao,nao foi detesto ;).
Muitas beijocas