25 abril 2006

Chama da amizade

Para alguns seres errantes, a amizade é sinónimo de cobrança interessada, cuja galopada não pára de cessar. A principal desilusão surge quando a máscara de bondade desinteressada cai, para dar lugar à entrada em cena de uma personagem vil, interesseira e vampírica, a qual sangra os amigos para continuar a viver de forma acomodada. O verdadeiro amigo questiona e está presente quando mais necessitas, não te explora, nem sequer te faz propostas que desvendam a personalidade assente na subjugação por teia de interesses. A verdadeira amizade constrói-se e perdura, sempre que há uma interlocução, aberta, sincera e, sobretudo, directa. Os verdadeiros amigos não se utilizam uns aos outros, desculpam-se pelas falhas e omissões, batem forte quando é necessário, mas também nos fazem crescer como simples homens e mulheres, que, realmente, somos. Nos dias que correm, é tão bom ter pelo menos um amigo! Preservá-lo é que é cada vez mais difícil, tal é o tamanho da teia de interesses e das invejas que sopram sobre a chama da amizade.

5 comentários:

Anónimo disse...

A amizade equilibra um gesto e redimensiona um olhar! Traduz um sentimento e torna mútua a paixão pela vida!

Paula Raposo disse...

Verdade. Beijos.

fokinha disse...

:) bonito.
Beijo

dulce disse...

Tiraste-me as palavras da boca!! Eu não teria dito melhor!! Um amigo, quando se encontra, tem que ser preservado, acarinhado, acalentado para que permaneça. E tem que ser de ambos os lados!
Beijos para ti.

Eu disse...

"No meio da confusão quotidiana, no meio de tantas noticias ruins e de tantas tragédias, no meio da insegurança, ao caos e à desesperança geral, é muito reconfortante saber que existe um porto seguro para acalmar o espírito. UM AMIGO"